O ambiente de negócios na medicina está cada vez mais competitivo e cheio de oportunidades. Empreender tem sido a palavra de ordem dos últimos anos, sugerindo que os médicos fiquem atentos, pois o empreendedorismo não está direcionado a determinadas especialidades ou profissões. Ele é muito mais amplo. Os profissionais da saúde em geral vivenciam diariamente uma velocidade estonteante na prática assistencial, ao ponto de muitos não se planejar para associar mais conhecimentos impulsionadores de bons negócios.

Nos cursos e palestras que tenho ministrado sempre encontro vários médicos, dentistas, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, ainda em quantidade muito tímida, mas no final, sempre compartilham depoimentos entusiásticos, sobre o desejo de empreender. É importante ter a consciência de que ser empreendedor não significa abrir uma empresa. Quem abre uma empresa é um empresário, porém nem todo empresário é um empreendedor. Um médico pode abrir uma clínica, mas só pelo fato de ter uma clínica funcionando não assegura que ele seja um empreendedor. Com essa assertiva fica claro então que o campo de visão do empreendedor é muito amplo no aspecto de conhecimento e inovação, podendo protagonizar em vários setores quer seja empresarial ou não.

Ser empreendedor é uma questão comportamental que pode ser aprendida, internalizada e vivenciada. Ter apenas o conhecimento não adianta. É preciso colocar em prática ferramentas indicadoras de gestão, com o propósito de entender o que está acontecendo para tomar as decisões acertadas sobre o negócio. A sociedade necessita de excelentes técnicos profissionais da saúde, mas ao mesmo tempo promovem uma onda de tendências promotoras de negócios sustentáveis, com mais investimento em tecnologia, e a profissionalização de todos os demais integrantes.

No Brasil, a competitividade tem aumentado substancialmente na área de saúde, exigindo dos médicos e demais profissionais o compromisso em ser relevante na forma de acolher e tratar. Atentem a essas dicas: Investir em soluções inteligentes é a condição imprescindível para o profissional e a empresa serem percebidos e lembrados; Conhecer e praticar comportamentos empreendedores; Conectar-se as tendências, linhas e redes de desenvolvimento de negócios e parcerias; Estar atento aos serviços e produtos inovadores que são lançados frequentemente no mercado; Investir em aplicativos, serviços tecnológicos que proporcionem o monitoramento sistemático e melhoria contínua da qualidade.

Os profissionais da saúde têm uma larga vantagem que facilita o entendimento e a prática do empreendedorismo, pois eles já lidam com vários fatores do dia-a- dia que estão relacionados à diagnóstico, processos sistemas, tecnologias, conhecimento, estresse, pressão, e muito mais, sendo tudo isso direcionado a resultados positivos para o cliente, alterando apenas a dimensão entre corpo humano e mundo.

Portanto ser médico empreendedor é uma tendência ideal, que a cada dia avança, provocando sinais de alerta que traduzem: Empreender é causa. O sucesso efeito.

Coluna escrita para a revista SOMESE – Órgão oficial da Sociedade Médica de Sergipe Ano

XXIX – Edição 145 – 2017